Welcome to ShopCanarias.es   Click to listen highlighted text! Welcome to ShopCanarias.es

Stress e cortisol

Foto de Ramzi hashisho da FreeImages
Foto de Ramzi hashisho da FreeImages

Já que no post anterior falamos sobre cuidar da saúde corporal, agora vamos falar sobre cuidar da saúde mental. Todos sabemos como ser felizes, e desde a infância que nos dizem que na vida temos de ser felizes, mas a verdade é que, dependendo de como é a nossa vida, não somos muitas vezes felizes por uma razão ou outra. É evidente que também depende de onde nascemos, de como fomos trazidos para dentro e para fora de casa, das oportunidades que a vida nos deu, etc.

A vida é simples, mas nós complicamo-la. Precisamos de pouco; sentir-se útil com um trabalho, relacionar-se com os outros, e ter dinheiro suficiente para satisfazer as nossas necessidades básicas (comida, água, algumas roupas e um lugar para viver).

Vi recentemente um filme de comédia sobre felicidade, e foi o suficiente para me lembrar do pouco que precisamos de ser felizes (é intitulado “Hector and the Search for Happiness” de 2014). É bom de vez em quando para eles nos lembrarem.

É engraçado, mas acho que cuidamos mais da saúde corporal do que da saúde mental. Pelo menos, fiz assim por ignorância. Na verdade, nem é bem visto que cuidamos da nossa saúde mental. Lembro-me de me perguntarem numa entrevista de emprego se estava a receber apoio psicológico, como se isto fosse mau ou um indicador de uma deficiência funcional ou competências. A verdade é que nunca estive lá, mas tenho a certeza que todos precisamos de um.

Não esqueçamos como a forma como lidamos com os desafios e as dificuldades da vida afeta a nossa saúde, e não esqueçamos que temos de desenvolver hábitos mentais saudáveis. Mais uma vez, só partilho as minhas experiências, caso outra pessoa não saiba porque é que o stress é mau.

Por um lado, um dia fui surpreendido por um médico dizer numa palestra que é melhor estudar trabalhadores saudáveis, a fim de determinar os aspetos que a influenciam, mas pareceu-me mais dizer que causamos stress aos outros, e também no trabalho, por isso tivemos de perceber e melhorar o método com que comunicamos e interagimos com os nossos colegas. É óbvio, mas abriu-me os olhos, porque não o interiorizou. Ainda tenho dificuldade em pensar nisso antes de agir ou falar.

Por outro lado, um colega partilhou uma entrevista na rádio com a psiquiatra Marian Rojas Estapé (entrevistada por uma loucura chamada Cristina – não diz o sobrenome). E depois de ouvi-lo várias vezes, aprendi o que devo ou não fazer, e decidi resumir e partilhá-lo com amigos. Abaixo partilho o resumo da entrevista.

POR QUE DEVEMOS REDUZIR O STRESS?

  • A forma como decidimos responder aos problemas influencia o resultado
  • Atitude antes de qualquer circunstância determina como eu reassei a ela
  • A felicidade é como interpretas o que te está a acontecer, depende da tua visão da realidade, do teu humor.
  • Todas as emoções são precedidas por um pensamento
  • As emoções ativam e desativam as nossas células, a nossa corrente sanguínea e até mesmo os genes
  • As emoções ativam descargas neurológicas, pequenas substâncias que vão para as células, e ativam ou desativam membranas
  • O resultado pode ser que temos células “felizes” ou células “tristes”, células “ressentidas” ou células “raivosas”, e que influencia doenças
  • Há uma substância no corpo chamada cortisol, uma hormona cíclica fundamental para a sobrevivência, porque sem ela não estaríamos aqui.
  • Perante a ameaça, o estado de alerta ou o medo, ativamos o cortisol
  • O nível de cortisol à noite é baixo, e durante toda a noite ele sobe, e tem o pico mais alto da manhã quando te faz acordar e estar ativo
  • Uma pessoa que está constantemente a enfrentar uma ameaça (e se isso, e se isso…), então o corpo segrega cortisol, e segrega-o igualmente quando te acontece que como quando o imaginas
  • A minha mente e o meu corpo não distinguem o que é real do que é imaginário, e tem o mesmo impacto no corpo.
  • O cortisol também é positivo como cortisona, porque é um anti-inflamatório muito potente
  • Quando vivo constantemente em alerta (e também conto estar sempre atento por notificações no telemóvel), com uma ameaça ou medo, então o nível de cortisol não cai, e torna-se uma inflamação, removendo todas as defesas do corpo, afetando a memória, afetando a concentração e o sono
  • Se o nível de cortisol não for baixo à noite, não temos uma boa noite de sono, e todo o corpo fica intoxicado.
  • Muitas depressões vêm de estados de alerta permanentes, e muitos psiquiatras acreditam que são doenças cerebrais inflamatórias (para isso NÃO usar Ibuprofeno)

O QUE DEVEMOS FAZER? (quase todos os dias)

  • Exercício, porque o exercício elimina o cortisol
  • Educar pensamentos: educar a voz interior para que não nos faça auto-boicote
  • Desligar-nos mais frequentemente dos dispositivos eletrónicos, e procurar outros estímulos que sejam gratificantes (levará cerca de 3 dias, mas “colocarmo-nos em modo avião” concede-nos auto-domínio)
  • Ser assertivo: ser capaz de responder ao que me acontece sem ser agressivo. Tenho de o expressar, porque “se o engolir” as células adoecem (mas isso não significa expressar, por exemplo; “como o seu casaco é horrível”)
  • Você tem que deixar o cérebro desligar, relaxar e conectar-se com o seu mundo interior, porque transforma o cérebro e saudável (por exemplo, ler um livro e ouvir música clássica, caminhar no campo, uma conversa interessante, um pouco de vinho com amigos, etc).). E tudo isto sem pensar no trabalho, sem olhar para o tempo para chegar a casa, e sem telefones ou dispositivos.
  • Não obceque com o tempo (se tivermos tempo ou doença meteorológica), porque é um fator de risco a ser inflamado, e pode levar a um ataque de pânico ou ataque cardíaco. Tens de aprender a travar.
  • Se está a tomar antidepressivos ou ansiolíticos, então inclua ómega3 na sua dieta, porque provou ser um poderoso anti-inflamatório cerebral que melhora o humor

A propósito, ómega3; “Podem ser encontradas em alimentos como peixe, óleos de peixe, leite e algas cultivadas.”,e depende da sua ingestão, a ingestão de CDR pode situar-se entre 250 miligramas e 4 gramas (Fonte do Ministério da Saúde (http://www.aecosan.msssi.gob.es/AECOSAN/web/seguridad_alimentaria/noticias_efsa/2012/efsa_omega3.htm).

Mas o melhor conselho para cuidar da nossa saúde mental será-nos dado por um especialista colegial, no seguinte link;

https://www.cop.es/index.php

Muito obrigado pela visita, e até breve!

Deixe uma resposta

Click to listen highlighted text!